top of page

Santa Casa faz adaptação em carrinhos e facilita trabalho de funcionários no transporte interno


A direção administrativa da Santa Casa de Jales decidiu inovar para atender a uma

antiga reivindicação dos funcionários internos que precisavam se desdobrar para

transportar refeições, medicamentos, roupas e até ferramentas e material do

almoxarifado através das longuíssimas rampas do hospital.

“O Nosso hospital é todo em rampa e nós não temos condições de instalar elevadores

porque o custo com instalação e manutenção é muito grande, então os nossos

colaboradores sofrem bastante, Os da enfermagem têm que levar macas, cadeiras de

rodas, tem os da lavanderia e os da cozinha que têm que fazer entrega de refeições em

cada unidade. São quatro rampas e era preciso dois colaboradores para fazer isso. Um

pra empurrar e outro pra puxar”, contou o administrador Rafael Carnaz Prado.

O administrador Rafael Carnaz Prado e a responsável pelo serviço de nutrição e dieta dos pacientes, Josiane Marcato, com o carrinho adaptado, que facilitou o transporte das dezenas de refeições pelas quatro rampas do hospital

Segundo ele, o mercado oferece carrinhos prontos, mas o custo também é alto e cada

carrinho pode chegar a R$ 35 mil, dinheiro que a Santa Casa não pode dispor.

Para resolver o problema, a direção pediu ao engenheiro Vagner Vidal para apresentar

uma solução. Foi então que ele pegou um dos carrinhos da cozinha e adaptou um

patinete elétrico que permite que apanas uma pessoa leve o carrinho a todos os cantos

do hospital.

“A gente pagou na época que fez o primeiro carrinho R$ 850,00 no carrinho normal

mais R$ 1.500,00 no patinete. Alguns componentes não serviram e o custo subiu um

pouco chagando a R$ 2.500,00. Acreditamos que os próximos dois podem chegar a

uns R$ 3 mil, cerca de 10% do valor de mercado”.

Um carrinho já está em usos e outros dois estão sendo produzidos, mas a expectativa

é que todos os setores tenham os seus.

A funcionária responsável pelo serviço de nutrição e dieta dos pacientes, Josiane

Marcato, disse que a invenção mudou a rotina que agora ficou, literalmente, muito

mais leve.

Comments


bottom of page