top of page

ANO NOVO, ESPERANÇA E PAZ - artigo semanal da Diocese de Jales


O início de um Novo Ano vem marcado como um tempo de festas,

confraternizações e encontros. Tempo também de avaliações e planejamentos,

tempo para orações, esperando por dias melhores e abençoados. Com o início de

um novo ano descortinam-se novos sonhos, novas oportunidades, ou ao menos, a

esperança renasce com o brilhar fulguroso dos primeiros dias dos 365 que se

cumprirão.

ANO NOVO, ESPERANÇA E PAZ- Padre Edvagner Tomaz da Cruz, Reitor do Seminário Diocesano de Jales e Adminixtrador da Paróquia São Luiz Gonzaga

Numa pesquisa realizada pela consultoria Cause e o Instituto Ideia,esperança foi eleita pelos brasileiros como a palavra do ano de 2022. Isto revela o quanto estamos carregados de sonhos e projetos de um novo modo de vida, porque a palavra esperança vem do latim spes e significa esperar, confiar em algo positivo, viver e esperar com disposição para mudanças. Esperança expressa

temas filosóficos (por exemplo, o que eu posso esperar?) e teológicos (uma das

três virtudes teologais) e, deste modo, um tema inerente ao ser humano.

Esperança de dias de paz, de vivência e respeito aos valores universais de

fraternidade, vida digna para todos, respeito ao próximo e muitos outros. O Papa

Francisco, em sua Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2023, com o tema

“Ninguém pode salvar-se sozinho. Juntos, recomecemos a partir da Covid-19 a

traçar sendas de paz”, aponta para tais valores que a humanidade é convidada a

não se esquecer.

O fio condutor da reflexão da Mensagem do Papa Francisco é analisar sobre

as mudanças causadas pela Covid-19, o luto, a dor e, a lição mais importante, de

“tomar consciência de que sozinhos não vencemos, precisamos uns dos outros e

que nosso maior tesouro é a frágil fraternidade”. Parece até um pesadelo sem fim,

algo inacreditável, que nem bem o mundo conseguiu vencer a pandemia e vem

uma Guerra que está desestabilizando a todos. São mais de 300 dias de guerra,

destruição e morte entre irmãos. Certamente, “não era essa a estação pós Covid

que a humanidade merecia ou ansiava passar”, afirmou o Papa.

Aproximando um pouco mais o olhar à realidade atual, é possível perceber

outras situações desagradáveis, como por exemplo, as crises morais e sociais, as

crises políticas e econômicas, o desrespeito pelo outro, o abandono da religião, a

fome que mata muitas pessoas, a falta de emprego ou salário digno para muitos,

a crise humanitária e migratória que vivem alguns países e a crise ambiental. E

ainda, ao pensar no futuro, uma parcela da população pensa em si mesmo, no

seu próprio mundo, e o outro não significa quase nada.

O ano se inicia e, com ele, a esperança por dias melhores, dias de cura da

humanidade corrompida pelo pecado, dias de reconstrução de laços de

fraternidade e solidariedade, dias de paz e de justiça. O convite é feito pelo

próprio Deus, que nos dá o exemplo de viver o amor infinito e misericordioso (Cf.

Evangelho de João 13,15) como passo seguro neste novo ano.


Fernandópolis, 28 de dezembro de 2022.

Comments


bottom of page