Acolhimento: Prefeitura de Jales cria abrigo temporário para receber moradores de rua no inverno


Com o propósito de ampliar ainda mais os espaços para a população em situação de rua, a Prefeitura de Jales, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania e Fundo Social de Solidariedade, criou na quarta-feira, dia 28 de julho, um abrigo temporário no CIEVI – Centro Integrado Esportivo de Valorização do Idoso, no Jardim Estados Unidos. Trata-se de um serviço de proteção à situação de emergência, destinado a proteger do frio, homens e mulheres moradores de rua ou migrantes.


Para proporcionar esse acolhimento, o espaço localizado na Rua Montana, na esquina com a Rua Mississipi, foi adequado para ser uma extensão da Casa de Apoio ao Migrante de Jales que realiza um importante trabalho de acolhimento e reintegração social.

O novo local para acolhimento funcionará até o domingo, dia 1º de agosto, das 18h às 7h, oferecendo além do pernoite em cama individual, com colchão e cobertores, refeição e instalações para banho. Todas as normas de proteção sanitária e de prevenção à covid-19 foram respeitadas e os frequentadores receberão máscaras e terão álcool gel à disposição.


Na tarde da quarta-feira, o prefeito Luis Henrique acompanhado da primeira-dama Alziane Rossafa Moreira e da vice-prefeita Marynilda Cavenaghi, visitou o espaço e anunciou através de uma live, o abrigo temporário que tem capacidade para até 25 pessoas.

“O espaço recebeu colchões, doados pela Igreja Batista, kits de higiene, da Casa de Apoio ao Migrante, contendo toalha de banho, sabonete, aparelho de barbear, escova de dente, pasta, xampu e antitranspirante, lençóis novos, do Fundo Social de Solidariedade e cobertores, doados pela Loja Maçônica Coronel Balthazar e moradores do Residencial Alpha Jales. Queremos agradecer a todos que apoiaram essa nobre causa e nos possibilitaram oferecer esse espaço destinado aos moradores em situação de rua. A Casa de Apoio ao Migrante já oferece esses serviços e já desempenha um papel muito importante durante o ano, mas entendemos que o período do inverno requer uma atenção maior por parte do poder público. Não queremos que ninguém fique desamparado e vamos continuar trabalhando para proteger vidas”, ressaltou o prefeito de Jales, Luis Henrique Moreira.


Casa de Apoio ao Migrante também acolhe. Conheça os serviços:

Com a missão de acolher, cuidar, alimentar e encaminhar os migrantes e moradores em situação de rua, buscando reintegrá-los à vida social, a Casa de Apoio ao Migrante de Jales vem realizando um importante trabalho de acolhimento com as pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Mesmo com a pandemia da covid-19, as atividades na unidade não foram interrompidas. O serviço seguiu intenso respeitando as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) relativas a procedimentos de combate ao vírus, afinal, “o trabalho é essencial a essa parcela da população”, destacou a secretária de Desenvolvimento Social e Cidadania, Pérola Cardoso.

Segundo a coordenadora da Casa de Apoio ao Migrante, Angélica de Oliveira Pereira Moura, o espaço oferece abrigo emergencial e temporário aos usuários e é feito um trabalho para resgatar os vínculos familiares dos migrantes e moradores em situação de rua. “Através do nosso trabalho, eles recebem ajuda para localizar familiares e retomar a vida em família, porém muitos se recusam a voltar ao convívio de suas famílias”.

A casa oferece café da manhã, almoço, café da tarde e jantar, roupa lavada e também disponibiliza aos moradores que optam por viver em situação de rua banheiros com chuveiros elétricos e kits de higiene, além de roupas, quando necessário. A Casa Oferta ainda alimentação no almoço e jantar, que somam aproximadamente 60 marmitas que são servidas diariamente aos acolhidos.

“A Casa de Apoio ao Migrante não pode fazer um trabalho de assistencialismo, ou seja, levar comida, roupas e cobertores até os moradores em situação de rua e obrigá-los a ir para a Casa de Apoio. O que fazemos é um trabalho de orientação e apoio a essas pessoas em situação de vulnerabilidade. Nós acompanhamos as demandas de quem chega na cidade e não tem onde ficar; de quem está em trânsito ou está desabrigado”, assinalou a coordenadora Angélica.

Para orientar a população a não dar esmolas para as pessoas em situação de rua, uma campanha informativa será iniciada no mês de agosto, pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania em parceria com a Secretaria de Comunicação. “Quando alguém bater à porta de sua casa, não dê esmolas, promova a cidadania. Encaminhe essa pessoa para a Casa de Apoio ao Migrante ou para o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS). A esmola atrapalha o serviço ofertado pelo município e contribui para mantê-los nas ruas, à mercê de todos os tipos de violência”, destacou a assistente social do CREAS, Márcia Fortes.

A Casa de Apoio ao Migrante funciona na Rua 15, n. 2051, no Centro de Jales, em espaço amplo, arejado e extremamente acolhedor. Atende em horário integral, todos os dias, inclusive aos sábados, domingos e feriados. O telefone para contato é (17) 99611 2811.