Pré-candidato a deputado, Luiz Henrique Moreira deixa PP


O jalesense Luiz Henrique Moreira terá uma semana de reuniões decisivas para a sua candidatura a deputado estadual. Estão marcados encontros com diversas lideranças de vários partidos, entre eles o Podemos, do senador Romário, o PDT, PHS,o PSC de Márcio Camargo, e o PSB do vice-governador Márcio França, com quem deve ter uma conversa pessoal no começo da semana. O prazo para filiação partidária vence no dia 7 de abril, portanto Luiz Henrique tem poucos dias para definir a legenda pela qual vai concorrer.

Luiz Henrique tem encontros decisivos e pode se filiar ao mesmo partido do vice-governador

A reportagem apurou que há uma leve tendência ao PSB, apesar dos convites de outros partidos terem sido considerados bastante atraentes. Um dos principais atrativos do partido é que ele assumirá o comando do Estado após a saída de Geraldo Alckmin para disputa da presidência. Na cadeira de governador, Márcio França, que concorrerá ao cargo, deve ser um forte cabo eleitoral de seus correligionários.

O empresário tem vínculos antigos com o PP (Partido Progressista), que agora se chama apenas “Progressistas”.Foi ele quem reestruturou o partido na cidade. Porém, a decisão de deixar o a legenda vem sendo amadurecida há alguns meses. Ele não confirma, mas a sua relação com o deputado federal Fausto Pinato, principal liderança Progressista na região, está abalada desde que o parlamentar tentou, sem sucesso, destituí-lo da presidência do Diretório Municipal durante as eleições de 2016 que levaram Flávio Prandi Franco à Prefeitura de Jales.

Naquela ocasião, Luiz Henrique era presidente do Diretório e comandou as tratativas em torno das coligações partidárias e definição dos apoios. Enquanto ele preferia liberar os filiados e coligar-se apenas para as eleições proporcionais, Fausto tentou forçar uma aliança com o então prefeito Pedro Manoel Callado Moraes (que acabou abdicando à candidatura). O parlamentar alegava relação de amizade e gratidão com o então prefeito e para conseguir os eu intento, recorreu ao Diretório Estadual para tirar o empresário do seu caminho. Porém, com apoio da maioria dos filiados e embasado em farta documentação que comprovava a legalidade da sua decisão, Luiz Henrique recorreu à justiça e conseguiu se manter no comando local.

Depois da eleição de 2016, Luiz Henrique se reuniu com Tiago Abra e Fausto Pinato para fumar o cachimbo da paz

Depois das eleições, ambos se encontraram e fizeram as pazes, mas nos bastidores, o mal estar permanece até hoje. Luiz Henrique não admite, mas tem receio de sofrer nova traição. A um amigo, ele chegou a comentar que teme não conseguir a homologação da candidatura no fim depois que o prazo para filiação em nova legenda se encerrar. “O Guilherme Mussi garantiu que ele terá a legenda, mas o Luiz se sentiu traído pelo Fausto naquela ocasião e gato escaldado tem medo de água fria”, disse um interlocutor.

Do outro lado, a assessoria do deputado garante que o motivo da saída não tem a ver com o incidente das eleições. “Depois daquele episódio, as arestas foram aparadas. É que ele deve estar procurando um partido em que seja possível se eleger com menos votos porque pelo Progressistas ele precisaria de 80 mil votos”.

A decisão sobre o substituto de Luiz Henrique na presidência ainda não foi tomada, mas é possível que seja formada uma provisória e, depois, com a participação do deputado, eleita uma nova direção definitiva.