Provedor da Santa Casa pede que governador regularize repasses do IAMSPE atrasados há 3 meses


O provedor da santa Casa de Jales esteve no Palácio dos Bandeirantes, na tarde de quarta-feira, 23, assinando o convênio de R$ 240 mil anunciado na semana passada pela deputada Analice Fernandes.A parlamentar acompanhou o grupo de jalesenses composto pelo provedor Júnior Ferreira, o prefeito Pedro Callado, a gerente de Captação se Recursos, Luciana Vicente, e o administrador Rafael Carnaz Prado.

Jalesenses recebidos pelo governador - Jales Notícias

“Assinamos hoje o convênio para liberação de recursos para a Santa Casa de Jales. Quero agradecer ao governador Geraldo Alckmin que vem fazendo um esforço de gestão para cumprir os compromissos assumidos por nós parlamentares. A diretoria da Santa Casa de Jales saberá usar com sabedoria esta verba que pode ser investida em custeio”, disse a deputada. No total foram assinados 35 convênios no valor de R$ 4.119.300,00, sendo 30 para a área da saúde. Jales foi a única cidade da Região Noroeste a ser contemplada. "A Saúde é hoje a primeira prioridade da população, pois se não tem saúde não adianta o restante. São convênios com 14 prefeituras e 21 entidades assistenciais. Nós devemos fortalecer ao máximo as entidades assistenciais", disse Alckmin.

Júnior ferreira e a deputada Analice Fernandes - Jales Notícias

Júnior demonstrou ter ficado bastante satisfeito com a receptividade do governador, que prometeu “tomar um café” na Santa Casa na próxima visita que fizer á região.Não há data para isso, mas o governador indicou que pode acontecer no primeiro trimestre do ano que vem. Aproveitando a oportunidade, o provedor entregou dois pedidos ao governador. Um deles se refere á reclassificação do hospital para a categoria estratégico. Atualmente a santa Casa de Jales é hospital de Apoio. A mudança traria um significativo aumento dos repasses governamentais. O segundo pedido trata do atraso dos repasses referentes ao IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo). De acordo com Júnior Ferreira, há três meses a Santa Casa não recebe os repasses relativos ao atendimento dos servidores. “A situação não é só de Jales. Santa Fé do Sul e Fernandópolis já cortaram o atendimento, mas nós continuamos a atender e pretendemos permanecer assim. Mas pedimos ao governador que dê uma olha com carinho nesse problema”.