Coordenador da campanha de FIÂO e candidato a vereador são indiciados por compra de votos. PF desmen


A Polícia Federal de Jales indiciou por compra de votos, o coordenador da coligação “Renovação com Responsabilidade”, que tem como candidato a prefeito de Urânia, Odair Ferreira Dias, o Fião 23. A investigação durou 15 dias e contou com Imagens e diálogos gravados que comprovaram a culpa de Valter Aparecido Janasco dos Santos, Donizete Mussato (candidato a vereador pela mesma coligação) e José Martines.

Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o crime de compra de votos é punido com cassação do registro ou do diploma do candidato, prisão de até quatro anos, multa de até 50 mil UFIRs e,se condenados por órgão colegiado da Justiça Eleitoral ainda podem ficar inelegíveis por oito anos. O inquérito que indiciou Valter Janasco, Donizete Mussato e José Martines já foi concluído e encaminhado à Justiça Eleitoral. Se a justiça confirmar a culpa do trio, os votos dados a Donizete Mussato não terão validade.

Donizete Mussato , indiciado por compra de votos

ARMAÇÃO A Polícia Federal também apura a autoria de uma montagem feita com uma "Nota à Imprensa" distribuída pela PF sobre operações de combate à compra de votos em cinco cidades da região que incluía o indiciamento dos três. Na tarde e noite de sexta-feira, correligionários de Fião usaram o texto enviado pela PF para tentar incriminar a coligação adversária, Renovação Já, que tem como candidato a prefeito Márcio Arjol. Eles distribuíram pelas redes sociais a matéria da PF, mas antes substituíram as fotografias tiradas pela PF por outras tiradas por eles durante uma diligência feita na casa de um integrante da coligação de Arjol na manhã do mesmo dia. A intenção era dar veracidade à falsa informação de que a coligação que representa o 45 também teria sido flagrada comprando votos. O que não aconteceu. A reportagem entrou em contato com a Polícia Federal que confirmou a suspeita de manipulação e negou que haja qualquer inquérito aberto contra a coligação de Márcio Aljol. “Não há, nesta data, nenhum indiciamento ou inquérito em curso contra ele ou a sua coligação. Na manhã de sexta-feira, a PF esteve em Urânia averiguando uma denúncia que sequer progrediu para inquérito. As denúncias de qualquer parte estão sendo e serão apurados como em qualquer caso. Porém, o único inquérito de compra de votos no município de Urânia já foi concluído e enviado para a justiça”, informou o Setor de Comunicação da DPF Jales. A reportagem apurou que a PF ficou especialmente irritada com a manipulação da nota e com a troca das fotografias divulgadas pela delegacia, mas, sobretudo, com o uso do trabalho da Polícia Federal com fins eleitorais. Os responsáveis serão investigados e podem ser autuados.

A equipe de Márcio Arjol avalia processar por calúnia e difamação os responsáveis pela divulgação da notícia inverídica.