Termina a greve dos servidores do Detran e serviço volta ao normal


Na manhã do último sábado, 2 de julho, os empregados públicos do DetranSP reuniram-se na sede da União Geral dos Trabalhadores, na Capital Paulista, afim de deliberar quanto à proposta apresentada pela autarquia. Após extensa explanação da proposta aos presentes, foi realizada a votação em que foi aprovada por 89,4% dos votos a proposta, resultando na suspensão imediata da greve dos empregados públicos do DetranSP. Os empregados públicos retomaram às atividades normalmente nesta segunda-feira, dia 4.

No total, 519 pessoas participaram da votação, de acordo com o Sindicato dos Cargos Administrativos da Carreira Regida. O resultado final foi de 324 a favor da suspensão temporária da greve e 195 a favor da continuidade da greve.

Os servidores do Detran-SP iniciaram a paralisação há 15 dias nas unidades de todo o estado reivindicando reajuste salarial de 26,3% e um plano de carreira contingencial.

A Associação dos Empregados Públicos do Detran divulgou nota informando que as orientações sobre o processamento de folha suplementar, para pagamento dos dias descontados serão publicadas nos próximos dias, assim como orientações da compensação a ser realizada dos dias parados.

A Associação e o comitê permanente de negociação dizem que acompanharão diariamente o cumprimento do acordado e poderão, a qualquer momento, convocar nova assembleia extraordinária para definição dos passos a serem adotados. “Todos os procedimentos jurídicos também estão sendo adotados para encaminharmos a demanda ao judiciário caso necessário, dessa forma a aprovação da proposta nos permitirá, além de trabalhar de fato na busca pelo reajuste de forma técnica, respaldar juridicamente a categoria em uma futura ação coletiva”, informou a Associação dos Empregados Públicos do Detran, em nota.

“Nos orgulhamos muito do empenho de toda a categoria e parabenizamos a todos os companheiros que tornaram essa conquista possível! É apenas o primeiro de muitos passos a serem dados na conquista de nossos direitos”, completou a entidade.