Polícia de Urânia prende acusado de matar funcionário de espetinho pelas costas


Está na Cadeia Pública de Jales W.N.S. de 21 anos, um jovem que queria ser peão de rodeio, mas se tornou assassino de um trabalhador. Ele é apontado pela polícia como autor de um homicídio que chocou a vizinha cidade de Urânia.

De acordo com as investigações, no dia do seu próprio aniversário, W.N.S. comeu, bebeu, brigou e matou um aposentado de 50 anos, conhecido como Pedrinho; O aposentado trabalhava na hora em que foi assassinado.

Na tarde do dia 23 de abril, um sábado, o peão mal sucedido teria permanecido algumas horas num espetinho no bairro Nossa Senhora de Fátima, comemorando seu aniversário.No local funciona um mercado familiar durante o dia e uma espécie de lanchonete à noite. Ali, ele comeu e bebeu. Porém, na hora de pagar a conta, já no começo da noite, se desentendeu com os filhos da dona que tocam o negócio familiar. O desentendimento pode ter sido motivado pela falta de acordo sobre os valores a serem pagos e os produtos consumidos.

Depois de uma breve troca de ofensas e empurrões, W.N.S. deixou o local sem sequer fazer ameaças. Cerca de 40 minutos depois, ele voltou armado de uma faca e procurou “a parte mais fraca” do grupo. Um senhor franzino de 50 anos que era tio dos homens com quem tinha brigado. Pelas costas, o peão desferiu o primeiro golpe que acertou superficialmente o corpo de Pedrinho que se virou e foi atingido fatalmente pelo segundo golpe no peito.

Pedrinho foi socorrido pelo SAMU, mas de acordo com testemunhas ouvidas pela Polícia Civil e Urânia, morreu antes mesmo de a ambulância chegar.

O crime chocou a cidade, tanto pela covardia quanto pela motivação fútil. Pedrinho tinha 50 anos, mas era uma pessoa que aparentava ter muito mais. Era magrinho e indefeso. Daquele tipo de pessoa sofrida. Além do mias, não tinha nada a ver com a confusão e não teve chance de se defender porque foi surpreendido pelas costas”.

Depois do crime, WNS fugiu para a zona rural da cidade onde ficou escondido até esta segunda-feira, quando foi localizado e preso. Interrogado, o assassino contou onde estava a arma usada, que também foi apreendida.

Pedrino foi sepultado no domingo.