Gestante é o primeiro caso suspeito de Zika em Jales


Uma gestante que não teve o nome divulgado pode ser o primeiro caso de Zika Vírus autóctone registrado em Jales. A Mulher mora na cidade, mas trabalha em Fernandópolis, onde foi atendida. Ela não teve complicações e passa bem. O caso ainda é considerado suspeito, uma vez que os exames ainda não foram concluídos. Uma outra gestante teve o diagnóstico confirmado em março. Mas ela contraiu a doença fora da cidade e se mudou para Jales doente. Além delas, não há sequer casos suspeitos.

A enfermeira sanitarista da vigilância epidemiológica do município, Renata Forti Rachieli, descartou qualquer outro, que estariam relacionado a boatos.

“Todos os casos suspeitos que são notificados na rede pública de saúde passam pela Vigilância Epidemiológica e os exames são feitos do Instituto Adolfo Lutz, em Rio Preto. A exceção possível seriam casos atendidos em clínicas particulares e que não tenham sido notificados”.

H1N1

Balanço da Secretaria Municipal de Saúde divulgado na última terça-feira, dia 5 de abril, mostra que a cidade tinha até aquela data 15 casos confirmados de H1N1 ou Gripe A. Até então eram 39 notificações (casos investigados), sendo que 21 deram resultado negativo e outros três positivos para influenza B.

Apesar da indesejável liderança regional, não há previsão de que os governos municipal ou federal pretendam intensificar a vacinação contra a doença nos próximos dias. Por enquanto, a Campanha Nacional de vacinação contra a gripe está confirmada para começar no dia 30 de abril. A vacina é atualizada todos os anos para que seja adequada aos vírus circulantes em cada estação e protegem contra 3 subtipos do vírus da gripe. Entre eles, a influenza A (H1N1). A vacina é voltadas a grupos alvos prioritários como idosos acima de 60 anos, gestantes, crianças de 6 meses a 5 anos, portadores de doença crônica, trabalhadores de saúde e indígenas.

Em Jales, a vacinação será realizada em todas as Unidades de Saúde com sala de vacinação: ESF Francisco Xavier Rego (Jardim Paraíso), ESF Shiguero Kitayama (Roque Viola), ESF Getúlio de Carvalho (Jardim Arapuã), ESF Ozil Joaquim Resende (Jardim Municipal), ESF Zilda Arns (Novo Mundo), ESF Luis Enersto Sandi Mori (JACB) e no Núcleo Central de Saúde.

Segundo a enfermeira, o baixo índice de vacinação registrado no ano passado pode ser um agravante no aumento dos casos. “Não só em Jales, mas em todo o Brasil”.

A meta prevista para Jales na Campanha Nacional de Vacinação de 2015 era de 85% do público alvo. Entretanto, apenas 79% procuraram os postos de saúde para se vacinar. “A meta já deixa de fora 15%. Se o índice de vacinação ficar ainda mais baixo do que isso, fica muita gente suscetível à doença. Sem dúvida, essa é uma das causas do aumento nos registros”, disse.

Para ela, o combate alcance da campanha de vacinação depende da conscientização da população, que precisa ir aos postos de saúde. A vacinação não acontece em domicílio.