SP estende fase de transição por 2 semanas e horário das 6h às 21h para comércio e serviços

Governo também anunciou que vacinação de pessoas com mais de 50 anos e comorbidades vai começar na próxima sexta-feira, dia 14


Do jornal A Tribuna

O governo de São Paulo confirmou nesta sexta-feira, 7 de maio, uma nova prorrogação da fase de transição do Plano São Paulo para todo o estado por mais duas semanas, até o próximo dia 23. O estado continua registrando redução gradual de indicadores de casos, internações e mortes por covid-19 e isso permitiu a extensão de mais uma hora no expediente de atendimento presencial, das 6h às 21h, e com limitação de 30% de capacidade em comércios e serviços não essenciais.

O horário estendido das 6h às 21h vale a partir deste sábado, dia 8 para estabelecimentos comerciais, galerias e shoppings, além de serviços como restaurantes e similares, salões de beleza, barbearias, academias, clubes e espaços culturais como cinemas, teatros e museus.

Para evitar aglomerações, a capacidade máxima de ocupação nos estabelecimentos liberados prossegue limitada, mas com ligeiro acréscimo de 25% para 30%.

A fase de transição mantém liberadas as celebrações individuais e coletivas em igrejas, templos e espaços religiosos, desde que seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social. Parques estaduais e municipais também poderão ficar abertos, mas com horário das 6h às 18h.

O toque de recolher continua nas 645 cidades do estado, agora das 21h às 5h, assim como a recomendação de teletrabalho para atividades administrativas não essenciais.



VACINAÇÃO

Na mesma ocasião, o governo também anunciou a vacinação de pessoas com 50 a 54 anos com deficiências e comorbidades a partir da próxima sexta-feira, 14 de maio.

Serão contempladas as pessoas que tiverem uma ou mais comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde (verifique a lista no final do texto) e, no caso dos deficientes, o comprovante do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Nesta semana, o Governo pretende começar a vacinar praticamente um novo grupo por dia. Na segunda-feira,10, doses passam a ser aplicadas em quem tem Síndrome de Down, pacientes em tratamento de hemodiálise (Terapia Renal Substitutiva) e transplantados que utilizam imunossupressores.

Em Jales, a Secretaria de Saúde anunciou a aplicação da segunda dose do imunizante para os profissionais da educação. Será na próxima segunda-feira, 10 de maio, das 8h às 11h, em sistema drive-thru, na 1ª Igreja Batista, com acesso pela Avenida Paulo Marcondes.

Quem não possui veículo poderá comparecer a pé ao local de vacinação para receber a imunização.Para se vacinar, é necessário apresentar o CPF e o comprovante de aplicação da 1ª dose.

A partir de terça-feira,11, será a vez das gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) com idade acima de 18 anos e com comorbidades. Na mesma data, também começa a valer o cronograma para as pessoas com deficiência permanente que têm entre 55 e 59 anos. Do dia 12 (quarta-feira) em diante, pessoas com comorbidades desta mesma faixa etária.

ORIENTAÇÕES E REQUISITOS

Para receber as doses, qualquer pessoa com comorbidades e que integre os grupos anunciados devem apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório ou prescrição médica. Os cadastros previamente existentes em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também podem ser utilizados.

A orientação vale tanto para as pessoas com comorbidades nas faixas etárias de 50 a 59 anos quanto para as pessoas com Down, em hemodiálise e transplantados. Para esse último grupo, é também recomendável a apresentação de receita médica do medicamento imunossupressor em utilização pelo paciente.

Já as pessoas com deficiência permanente precisam apresentar o comprovante de recebimento do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Para definir quais doenças são consideradas como comorbidades para fins de vacinação, o Governo Estadual seguiu a relação de 22 condições relacionadas pelo Ministério da Saúde.

São elas: Doenças Cardiovasculares; Insuficiência cardíaca (IC); Cor-pulmonale (alteração no ventrículo direito) e Hipertensão pulmonar; Cardiopatia hipertensiva; Síndromes coronarianas; Valvopatias; Miocardiopatias e Pericardiopatias; Doença da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas; Arritmias cardíacas; Cardiopatias congênitas no adulto; Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados; Diabetes mellitus; Pneumopatias crônicas graves; Hipertensão arterial resistente (HAR); Hipertensão arterial – estágio 3; Hipertensão arterial – estágios 1 e 2 com lesão e órgão-alvo e/ou comorbidade; Doença Cerebrovascular; Doença renal crônica; Imunossuprimidos (transplantados, pessoas vivendo com HIV, doenças reumáticas em uso de corticóides, pessoas com câncer); Anemia falciforme e talassemia maior (hemoglobinopatias graves); Obesidade mórbida e Cirrose hepática.