CASO PADULA: Laudo comprova que ferimento à caneta foi fatal


A Polícia Civil concluiu na segunda-feira, dia 20, o inquérito aberto para apurar a morte do pecuarista e comerciante de gado José Antônio Padula, morto pelo seu advogado, Clayton Colavite, há 18 dias. A conclusão do trabalho esperava apenas o Laudo Pericial da cena do crime, dos objetos usados como arma, necropsia do corpo da vítima e o exame de Corpo de Delito do autor. O advogado foi indiciado por homicídio simples. A defesa alega legítima defesa.

O jornal A Tribuna apurou que os exames comprovaram que a causa da morte foi uma hemorragia resultante de trauma cervical (no pescoço) aplicado por objeto perfuro contundente (no caso uma caneta) no pescoço do pecuarista. Os golpes de martelo não teriam sido fatais.

Também foram constatadas lesões no corpo do assassino. Entre eles arranhões, escoriações e hematomas no pescoço, costas, joelhos e braços. Os ferimentos seriam compatíveis com a versão de legítima defesa. Isso corroboraria a teoria da defesa e os depoimentos do autor, segundo os quais, Padula teria aplicado um golpe conhecido como gravata em Clayton, que para se desvencilhar, pegou uma caneta que estava sobre e mesa e aplicado um golpe no pescoço do seu agressor.

Segundo o delgado Sebastião Biazi, a perícia incluiu dois cômodos do escritório. A sala onde o crime foi cometido e a ante-sala onde o corpo foi encontrado. “O autor arrastou a vítima até a ante-sala. Segundo o que ele alegou era porque ele não queria deixar o corpo no escritório dele. Quando nos chegamos ele estava agachado, próximo à uma parede em estado de choque. Do local, ele não via o corpo. Ele alegou que não queria ficar vendo a vítima deitada porque eram amigos”.

MOTIVAÇÃO

Segundo o advogado Aislan de Queiroga Trigo, um dos profissionais designados pela OAB para defender o autor, a discussão que resultou no homicídio se iniciou depois que Clayton, que era advogado e amigo de Padula, informou que as multas sofridas por ele por crime ambiental já se aproximavam de R$ 7 milhões. “Padula achou que ele deveria ter sido informado antes e que Claytou não tinha feito o acompanhamento devido”.

Em entrevista, Aislan explicou Padula era alvo de uma Ação Civil Pública por crime ambiental ocorrido em 2010 e essa ação previa multa em caso de descumprimento. “O problema é que nos últimos anos houve mais crimes ambientais que foram acrescentaram na ação e isso gerou um volume total de aproximadamente R$ 7 milhões em multas. Padula teria reiterado nessa conduta por aproximadamente sete vezes. Isso de acordo com o depoimento do dr.Clayton”.

O valor teria aborrecido o pecuarista, que atribuiu ao advogado uma suposta omissão no acompanhamento da ação, e iniciou uma discussão que descambou para agressões físicas e, finalmente, o homicídio.

Atualmente, Clayton Pereira Colative cumpre prisão preventiva em uma sala especial no Presídio de Araraquara.


Todos os direitos reservados .Todo o conteúdo, incluindo texto,fotos e áudios,protegido pela Lei Federal 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pela "Declaração de Hamburgo". Autorizada reprodução desde que citada a fonte.

Contato (17) 98123-6278

ou alexandreribeiro.carioca@gmail.com